A RES (Responsabilidade Social Empresarial) e o desenvolvimento sustentável baseiam-se
no conceito de triple botton line (linha dos três pilares), o qual significa produzir, levando
em consideração o bom desempenho econômico, a preservação ambiental e a justiça social
(MAGRI et al., 2008).


Na prática, a empresa adota em sua cadeia de valor, um conjunto de atividades que adicionam
valor econômico, social e ambiental aos seus produtos, serviços e processos (BRANCO, 2008).

Melo Neto e Froes (1999) consideram as dimensões econômica, social eambiental a base do
conceito de sustentabilidade. A responsabilidade social estaria inserida na dimensão social
deste conceito e constituiria um de seus pilares.


Descobriu-se também que ao incorporar a sustentabilidade na estratégia do negócio, as
grandes empresas podem alcançar um lucro até 38% maior e uma pequena empresa até
66%, no curto e médio prazo (LOPES, 2008).


O problema é que pouquíssimas empresas no mundo conseguem compreender e
aplicar os conceitos no seu cotidiano tratando-os como verdadeiras oportunidades de
negócios, abrindo caminho para a diminuição de custos, riscos e aumento dosrendimentos
(HERZOG, 2004). Uma estudo realizado pela SustainAbility, IFC (International Finance Corporation)
e Instituto Ethos identificou 240 exemplos reais de 176 empresas, localizadas em 60 países,
com o objetivo de analisar o ambiente de negóciospara a sustentabilidade em mercados
emergentes e concluiu que as empresas obtém diferentes vantagens quando investem em
sustentabilidade.


Segundo Parente e Gelman (2008), o Varejo vem operando cerca de um milhão de lojas e com
faturamento anual superior a 200 bilhões de reais, as empresas varejistas brasileiras
representam uma enorme parcela de nossa economia.


Grande parte do Varejo vem descobrindo seu papel social e vem se engajando emprojetos que
visam à construção de uma sociedade mais justa e equilibrada.


O contato direto com o consumidor e com a comunidade local faz do varejista um potencial
articulador de ações sociais. Uma vez que grande parte de seus clientes reside em regiões no
entorno da loja, ao participar de projetos que ajudam a melhorar a qualidade de vida dos
moradores de sua área de influência, o público varejista será beneficiado.


Percebendo sua atuação socialmente responsável, os consumidores naturalmente
oferecem sua retribuição, não só desenvolvendo um sentimento de boa vontade e simpatia
com o varejista, e muitas vezes sentindo-se estimulados a participar como voluntário
nesses projetos.


Para Cajazeira e Barbieri (2006), a excelência empresarial deve combinar a busca de
produtividade e competitividade com redução de problemas ambientais e sociais relevantes,
ou seja, deve buscar condições econômicas, sociais e ambientais equilibradas visando
inserir as organizações de classe mundial na busca de um país mais justo.


Segundo o relatório de sustentabilidade da Global Reporting Initiative (GRI) em 1999 o
número de empresas adeptas das diretrizes cresceu de 20 para 1,5 mil. Percebe-se que
as organizações preocupam-se em desenvolver relatório referente à sustentabilidade
cada vez melhores elaborados e que possam subsidiar o processo de tomada de decisão
e para servirem de fonte para investidores, consumidores, organizações não governamentais
e uma rede muito grande de acionistas.